28.06.07
Almoço sempre sozinha. Hoje lá estava na minha mesa, muito feiinha coitadinha, ainda não tinha ido tratar de mim, encolhidinha, na esperança de não encontrar ninguém, tudo muito inha, e eis que na mesa ao lado a conversa começa a interessar. Deixei logo de estar inha para ficar onha, enquanto quatro inacreditáveis, daquelas mesmo inacreditáveis combinavam com deleite, viagem à Eurodisney.
Ai, aí eu vou tê qui consultáaa primeiro o maquinista, néé?!!! E as outras, Àaaa é claroooooo, mas consulta depoiisss de usá a camisola (camisola aqui é camisa de noite) preta.
Mais risinhos. Gandas inacreditáveis, ia pensando, enquanto engolia um bocado de alface orgânica regada com vinagrete baixas calorias e tentava entender o significado de maquinista da frase anterior, que vou, sem dúvida passar a usar, porque é maravilhoso.
Éeeee então vocês si animaram? Olha tem até vôo diretooo práaaa Parisssss, qui chiqui.
Paris qui chiqui, ai que putas estas gajas, olha as unhas das fulanas, mas que cor é aquela, nunca sei pedir a cor certa, ficam sempre a olhar para mim as interrogativas das manicures, é sempre uma merda de uma primeira vez e tal e coiso... Pensamentos edificantes entre as 13 e as 13.25 de todos os dias, quando oiço uma dizer baixinho, meio envergonhada: Portugal. Éeee também tem vôo práaaa Portugal.
E eu a inflar, a inflar, a inflar, não fosse a loira impossível, das unhas cor de açaí, me ter rapidamente esvaziado e lembrado com um definitivo, Aiiiiiiii pelooooo Amorrrrrrrrrrr di Deussssss. Si é pra ver português, vai ali na padaria Rio-Lisboa, ou vai em Copacabana!, de que eu estava era já atrasadíssima para a minha Brasilian Wax mensal.




por Mónica Marques às 15:40

Para Interromper o Amor
Transa Atlântica

Nas livrarias
O Inferno são os outros
Correio
folhassoltas@gmail.com
Chelsea Hotel
Freud explica
Technorati Profile
subscrever feeds