20.08.08
SOU MÁ COM PALAVRAS. Precisava ler muito mais para melhorar um bocado. Ou então deixar de beber caipirinhas a uma velocidade descontrolada ou desacostumar-me de cozinhar com um Gin Tónico ao lado da colher de pau.O meu problema é que muito mais que escrever, adoro cozinhar e só cozinho bem bebendo. A minha melhor hora do dia é por volta das oito da noite quando me dirijo à cozinha para preparar o jantar. Antes que me esqueça, o álcool foi para aqui chamado devido à minha dificuldade de expressão oral e escrita. Por causa dos esquecimentos. Sou daquelas pessoas que desenvolve mal uma idéia (não precisava dizer), que se perde, que não tem tino, que substitui as palavras que faltam ao discurso por bengalas, estou sempre a dizer e não sei quê, por exemplo. Chateio-vos, eu sei, mas descansem que me chateio muito mais a mim. E se para mim isto faz parte de uma terapia avançada e tem que ser, não vos ganharei resistência (vêem, a palavra aqui deveria ser outra, mas por estupidez natural e preguiça adquirida não a procurarei) se comigo não vierem até ao fim. Ás vezes não há pachorra para se aguentar os ritmos alheios e por isso é que a masturbação também é uma coisa engraçadíssima.
Mas esperem, esperem lá, que acabo de achar que nem eu vou aguentar esperar mais por mim. Talvez hoje não seja um dia bom, ou talvez a dificuldade que isto está a apresentar tenha a ver com os efeitos secundários que li na bula dos comprimidos. Vim aqui só para dizer qualquer coisinha rápida sobre música e de como ouvir Reginaldo Rossi mudou minha vida e acabo neste estado. Ai meu Deus. Razão tinha a senhora que generosamente, há uns meses, escreveu a pedir-me que evoluísse.


por Mónica Marques às 13:40

Para Interromper o Amor
Transa Atlântica

Nas livrarias
O Inferno são os outros
Correio
folhassoltas@gmail.com
Chelsea Hotel
Freud explica
Technorati Profile
subscrever feeds