13.07.09

Ela esperou que ele se inclinasse sobre o balcão e pagasse à menina mais uma rodada de vodka martinis antes de lhe pedir, ao ouvido - a música estava altíssima - que confirmasse o que estava a fim de ouvir depois da lista de enormidades catatónicas que lhe tinha revelado e da qual constavam todos os antecedentes criminais ou amorosos, quase sempre estes se confundem, Diz, diz, vá diz que sou doente, uma maluca, uma doente, uma doente, diz. Algo que ele se apressou a fazer sem muita vontade e assim, Sim, és doente. Por saber muito bem que o que ela queria mesmo, naquela noite, era ir dançar.



por Mónica Marques às 22:21

Para Interromper o Amor
Transa Atlântica

Nas livrarias
O Inferno são os outros
Correio
folhassoltas@gmail.com
Chelsea Hotel
Freud explica
Technorati Profile
subscrever feeds