14.09.09

O blog anda sem vontade de falar. No blog só se ouve música.  Os blogs são giros mesmo por isso: reflectem o estado de espírito de quem os faz. O meu estado é este, o tempo todo de fones nos ouvidos, metida comigo: um gin tónico ao fim da tarde e talvez uma ginja depois do jantar. Não me falem, não me mexam, deixem-me estar. Sobre a ginja, trouxe Espinheira.

Hoje pediram-me um livro e em troca ofereceram-me uma morada onde comprar boas morcelas. Os amigos são assim e a maioria dos amigos está aí. Hei-de ir de mala cheia. Quando for.

Penso no tempo do livro. E se tiveres razão não quero parar de o escrever. Penso na cara das pessoas. Passei o dia à procura de caras para as pessoas do livro. E de lugares. Onde vou pôr as pessoas e o que é que elas fazem e se gostam do Alentejo, como eu gosto e se andaram alguma vez naquela estrada de São Torpes num carro branco descapotável. Acho que não. E também acho. Enfim, acho muitas coisas desprezíveis. Mas entretanto, ontem, estive numa festa sem estar e isso não tem preço. "Podemos sempre duvidar da existência de uma cadeira, mas custa o diabo duvidar da existência do amor."  E Isto talvez seja uma tradução do  Allain de Botton muito mal amanhada. Mais música, não é?

 



por Mónica Marques às 01:37

Para Interromper o Amor
Transa Atlântica

Nas livrarias
O Inferno são os outros
Correio
folhassoltas@gmail.com
Chelsea Hotel
Freud explica
Technorati Profile
subscrever feeds