13.01.10

É que eu adoro isto, adoro mesmo. Adoro as porteiras cuscas e viciadas em Deus, adoro os policias de óculos manhosos e acima do peso que se acham e têm fetiches com a própria farda, adoro as ciganas ao pé de minha casa - porque vou sempre morar perto da ciganada? - muita sujas e sem cederem ao cheiro fantasioso dos shampoos para cabelos oleosos, adoro as velhas maldispostas de Campo de Ourique, as mulheres de meia idade de cabelo armado que copiam o penteado umas das outras, na Lúcia Piloto, os empregados de mesa bipolares, os empregados das livrarias Fnac, sempre aflitos e odiando profissionalmente todos os escritores malucos das suas estantes só porque preferiam estar na secção dos discos. Adoro os condutores irritados, os táxistas de Mercedes e bons chefes de família, as meninas das caixas dos supermercados que gostavam de ter nascido betas e fazem voz de beta. As depiladoras brasileiras que tentam viciar as mulheres portuguesas nas maravilhas da Brasilian Wax. Adoro, adoro isto tudo, mas jamais, só obrigada, conseguiria voltar a viver nesta terra sem para isso ter que aumentar a minha dose diária de drunfs. Está visto, vocês são uns heróis. Mas eu, que sou esta caca de mulher e para não dar em doida, preciso ir recarregar baterias, fuck, que país de esquina. 



por Mónica Marques às 09:46

Para Interromper o Amor
Transa Atlântica

Nas livrarias
O Inferno são os outros
Correio
folhassoltas@gmail.com
Chelsea Hotel
Freud explica
Technorati Profile
subscrever feeds