4.05.10

A gente cresce e vai deixando de falar e de dizer coisas e espernear quando acontece algo errado. A gente cresce para ficar triste e melancólico e chorar cada vez mais às escondidas e nunca na frente de quem nos fez chorar, essas pessoas que tarde na noite ou muito cedo quando ainda amanhece ( e não compreendemos porque é que está a amanhecer) nos fazem pensar que nasceram para nos foder a vida porque não as conseguimos despachar num avião para a Estónia, Letónia ou Lituânia. Estudei Relações Internacionais e estes três países vinham sempre juntos.

A gente cresce e passa a resolver as nossas cenas a peso de ouro com alguém a quem não daríamos a mínima, estivéssemos alegretes a jantar no Bairro Alto - que é quando somos pessoas melhores. A gente cresce e faz cenas piores que aos quinze anos e continua sem pensar porque bebe mais e fuma mais. A gente cresce e manipula e deixa-se manipular e diz coisas, sem pensar, como aquele célebre e avisado irritante, Há males que vêm por bem. Quando não há mal nenhum que venha por bem. A gente esquece-se de perguntar,  Que merda é esta?! Porque não quer ouvir resposta e está muito triste para explicar e não quer fazer mais pinos. A gente cresce e é quando a gente cresce que entende porque é que o livro do Miguel Esteves Cardoso, O Amor é Fodido é uma coisa tão ininteligível. E é  só porque é uma merda quando nos partem o coração. Mas como dizia o meu Tio Leopoldo...Infelizmente esqueci-me do  que dizia o meu Tio Leopoldo.



por Mónica Marques às 20:53

Para Interromper o Amor
Transa Atlântica

Nas livrarias
O Inferno são os outros
Correio
folhassoltas@gmail.com
Chelsea Hotel
Freud explica
Technorati Profile
subscrever feeds