31.03.11

 Gosto de cheiros, adorei ler o Suskind. E agora parece-me impossível e até um bocado misterioso - sou parva e mística - nunca antes daquilo ter sentido o teu cheiro. Eu sei de coisas que me impediam; a praia, o mar, a areia, o cuidado em estar longe de ti, ou ainda não uma vontade de estar perto de ti, para que o teu perfume fosse, enfim, a minha maluquice. E eu sei, eu sei que tu sabias disto e dos meus truques todos e que agora te ris à brava de mim. Mas olha, não tens do que te queixar porque sempre fui "muito mais pior" nestas coisas básicas do flirt com as outras pessoas. Por exemplo, sempre fui explicativa, sem saber que isso mata a vontade. Sempre ouvi muita música para relembrar as ocasiões e os momentos e essas paneleiradas todas, sempre mostrei muito e calei pouco e contigo é exatamente ao contrário. Como se não quisesse a merda das palavras. Deve ser algum juízo a chegar, finalmente, ou o pavor de repetir coisas, ou o espanto em que ainda estou e não paro de estar.

Verdade que as pessoas vão falando cada vez menos e sentindo cada vez mais e que até eu estou a gostar disso, mas não posso deixar de te dizer que o teu cheiro, o teu puta cheiro fantástico naquela noite, foi a minha salvação.



por Mónica Marques às 01:09

Para Interromper o Amor
Transa Atlântica

Nas livrarias
O Inferno são os outros
Correio
folhassoltas@gmail.com
Chelsea Hotel
Freud explica
Technorati Profile
subscrever feeds