6.04.11

E depois ficar a falar e a rir dos sons que fazemos, naquela felicidade que não deve ser explicada. Medir os pulsos, andar com os dedos pelos braços, pelas costas, omoplatas, ombros, pela linha da cintura, fazer círculos nos joelhos, adorar joelhos, não é beatífico adorar joelhos? E pedir ao nosso amor que nos deixe descansar um bocadinho até a vontade voltar num detalhe que achámos maravilhoso a meio da história que nos estão a contar.

por Mónica Marques às 14:10

Para Interromper o Amor
Transa Atlântica

Nas livrarias
O Inferno são os outros
Correio
folhassoltas@gmail.com
Chelsea Hotel
Freud explica
Technorati Profile
subscrever feeds