27.02.07
"Atira todas as minhas músicas fora, desliga o rádio do carro não seja caso, parte todos os discos, esconde os livros de autores perigosos lá atrás, na estante desarrumada do escritório. Não cozinhes bifes com pimenta, não deixes ninguém fazer massa e faz de conta que Planalto não é um vinho. Não uses adjetivos como maravilhoso, maravilhosidade, palavras paroles, paroles, paroles, queima o secador para que o possas deitar fora sem pensar duas vezes, faz das t-shirts panos de pó, e das botas brinquedos para o cão. Compra um relógio novo e passa a gastar o teu tempo a odiar-me. Troca as almofadas, são elas que ainda te fazem sonhar comigo às vezes e rebenta com o cortinado cor de laranja da casa de banho. Esquece todo o bem que te fiz e lembra pormenorizadamente cada vez que te magoei. O amor acaba. Sempre te disse."

por Mónica Marques às 18:14

2 comentários:
De sophie a 1.03.07 às 13:00
Aiiii. o que é isto? tão forte...


De francisco carvalho a 2.03.07 às 09:09
vou usar o fatal adjectivo: texto maravilhoso.


Comentar post

Para Interromper o Amor
Transa Atlântica

Nas livrarias
O Inferno são os outros
Correio
folhassoltas@gmail.com
Chelsea Hotel
Freud explica
Technorati Profile
subscrever feeds